Cerrado
. Introdução ao Cerrado:
Meu primeiro contato com o Cerrado foi indo do Rio de Janeiro para Belém do Pará em 1995, quando o C.A. de Biologia da UFRJ alugou um ônibus para levar os alunos ao ENEB-Encontro Nacional de Estudantes de Biologia daquele ano.

No caminho entre a Mata Atlântica e a Amazônia, o Cerrado agraciou nossa passagem com o festival da floração dos ipês-amarelos, a altivez dos buritis enfileirados por intermináveis veredas e a exuberância do pôr do sol no céu do Planalto Central.

O Cerrado me encantou por sua generosidade e me convidou com a vastidão de seu céu, a beleza de suas flores, o sabor e fartura de seus frutos, a hospitalidade e sabedoria de sua gente e a força de suas das águas. É o verdadeiro jardim do Brasil. No ano de 2003 deixei a malha urbana do Rio de Janeiro, para viver na Chapada dos Veadeiros, que integra o (já restrito) grupo de lugares onde podemos ver ambientes em bom estado de conservação no bioma.

Durante este período tive a oportunidade de caminhar diariamente pela vegetação, observando suas alterações ao longo das estações e aprendendo mais sobre as relações entre os personagens do lugar. Atuei na caracterização florística para planos de manejo de RPPNs, visitei e conversei com mais de cem proprietários rurais, em ação para conservação de corpos d’água, por meio da adequação ambiental de APPs e reservas legais.

Nas andanças pude conviver com gente que conhece e lida com as plantas do Cerrado, como os guias Rafael Teixeira e Maurinho Alves, de São Jorge, o viveirista Julmar “Mineiro” Andrade, de Alto Paraíso e a camponesa e agente ambiental Maria Nila, de São João d’Aliança.

Neste espaço quero compartilhar um pouco da beleza plantas e informações garimpadas sobre do Cerrado, um bioma que agoniza em sua destruição e pede socorro aos que acreditam na possibilidade de uma convivência sustentável entre o homem e o meio natural.

Cerrado

plantas do Cerrado

A cada semana falaremos sobre uma espécie vegetal do Cerrado, suas principais características e utilizações. Caso você queira informações sobre alguma espécie ou aspecto do Cerrado, escreva para a coluna que buscaremos responder.

De maneira geral e simplificada, o termo cerrado pode ser empregado com dois sentidos diferentes. Um deles diz respeito ao segundo maior bioma do Brasil, com cerca de 2.000.000 Km2, que deve ser escrito com letra maiúscula - Cerrado. O termo cerrado também é empregado para designar localmente as savanas, formações vegetais que predominam na paisagem do bioma.

Savana é o nome dado às formações vegetais que apresentam árvores retorcidas, não muito altas, em meio a um extenso "capinzal" rasteiro. Além de abrigar o conjunto de savanas com maior biodiversidade do planeta, o bioma Cerrado é um mosaico composto por formações vegetais que vão de campos limpos a diversos tipos de florestas.

Quando falamos "cerrado stricto sensu" estamos nos referindo apenas às formações savânicas, já o termo "cerrado lato sensu" abrange, as formações campestres até os cerradões, incluindo as savanas.

Para aprofundar os estudos sobre as caracterizações e propostas de classificações para fitofisionomias do Cerrado leia:

  • Ribeiro, J.F.; Walter, B.M.T., 1998. Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In Cerrado: Ambiente e Flora. Planaltina: EMPRAPA-CPAC, 1998. pp. 89-166.

  • Oliveira-Filho, A.T. & Ratter, J.A., 2002. Vegetation Physiognomies and Woody Flora of the Cerrado Biome. In Oliveira, P.S. & Marquis, R.J. The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna. New York. Columbia University Press


Bioma Cerrado


Fernando Tatagiba, Msc. - tatagiba@biologo.com.br
Biólogo/botânico.

 
imprimir
imprimir a página

 

início | primeiro artigo: Buriti - Mauritia flexuosa

ongs | universidades | página inicial

Todos os direitos reservados 2009 ©